BNCC: Convergências e Divergências

Autores

  • Paola Cristine Teixeira Universidade do Estado de Minas Gerais, Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Educação e Formação Humana. MG, Brasil. Rede Pública Estadual de Minas Gerais. MG,¬¬ Brasil. https://orcid.org/0000-0002-6389-7850
  • Juliana Cordeiro Soares Branco Universidade do Estado de Minas Gerais, Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em em Educação e Formação Humana. MG, Brasil. Universidade do Estado de Minas Gerais, Curso de Pedagogia. MG, Brasil. https://orcid.org/0000-0003-2337-2918

DOI:

https://doi.org/10.17921/2447-8733.2021v22n5p693-701

Resumo

Resumo
O presente artigo problematiza as diversas posições em relação à Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Desse modo, tem o objetivo de dialogar acerca da construção da mesma, considerando as versões publicadas do documento e as divergências e convergências diante de sua homologação. A pesquisa foi bibliográfica e documental. Para tal foi realizado um estudo em diversos meios para entender os posicionamentos contraditórios em relação aos documentos estudados. Realizou-se estudo do documento oficial homologado sobre a Base e artigos da área em sites de revistas científicas, Scielo e Anped, além dos documentos disponíveis nos sites do Movimento pela Base (MPB) e Fundação Lemann, principais instituições apoiadoras da BNCC. Os estudos demonstraram correntes favoráveis e contrárias ao documento e esses argumentos são apresentados no texto. São várias as críticas que envolvem a implantação da BNCC. Ao mesmo tempo, há organizações em sua defesa. A síntese que se apresenta remete ao fato de que o documento foi previsto legalmente e é importante para a educação brasileira ter um norteador educacional, que abranja todo o território. O que não pode ser deixado de lado é a questão da diversidade que o país apresenta e, por isso, é preciso enfatizar a possibilidade de diversificar o currículo. Para isso, faltou discussão mais democrática antes da sua homologação.

Palavras-chave: Currículos Escolares. Políticas públicas educacionais. Interesses privados

Abstract
This paper presents a discussion of the Common National Curricular Basis (BNCC) construction, considering the document’s various published versions and the convergences and divergences regarding its establishment. Discussions are presented herein on the Common National Curricular Basis, especially the authors’ agreements and disagreements in the Education field. This was a bibliographical and documentary research. For that end, a study was carried out in different media to understand the contradictory positions in relation to the documents studied. Astudy was performed of the official enacted document on the Basis and scientific papers on this subject, as well as documents available in the Movement for the Basis (MPB) and the Lemann Foundation’s websites, the main institutions that support BNCC. The studies reveal sentiments favorable and contrary to the document, and these arguments are presented in this article. It is reiterated herein that actions towards reaching educational goals are of fundamental importance. There are several criticisms that involve the BNCC implementation. At the same time, there are organizations in their defense. The synthesis presented here refers to the fact that the document was legally provided for and it is important for Brazilian education to have an educational guide that covers the entire territory. What cannot be left out is the issue of diversity that the country presents and, therefore, it is necessary to emphasize the possibility of diversifying the curriculum. Therefore, there was a lack of more democratic discussion before its approval.

Keywords: School Curricula. Educational public policies. Private interests

Biografia do Autor

Paola Cristine Teixeira, Universidade do Estado de Minas Gerais, Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Educação e Formação Humana. MG, Brasil. Rede Pública Estadual de Minas Gerais. MG,¬¬ Brasil.

Mestranda em Educação e Formação Humana pela Faculdade de Educação da Universidade do Estado de Minas Gerais (FAE/UEMG) - Linha 1 – Culturas, Memórias e Linguagens em Processos Educativos. Graduada em Geografia e Análise Ambiental (Licenciatura e Bacharelado) pelo Centro Universitário de Belo Horizonte. Atualmente professora de geografia do ensino básico da rede pública estadual de Minas Gerais (SEE-MG).

Juliana Cordeiro Soares Branco, Universidade do Estado de Minas Gerais, Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em em Educação e Formação Humana. MG, Brasil. Universidade do Estado de Minas Gerais, Curso de Pedagogia. MG, Brasil.

Possui pós doutorado em Educação pela UFMG, doutorado em Educação pela Faculdade de Educação da UFMG, mestrado em Educação Tecnológica pelo Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais e especialização em Gestão de processos educativos pelo Centro de Estudos Educacionais de Minas Gerais. É graduada em Pedagogia pela Universidade do Estado de Minas Gerais e em Comunicação Social (Relações Públicas) pelo Centro Universitário Newton Paiva. Atualmente professora da Universidade do Estado de Minas Gerais, no Curso de Graduação em Pedagogia e no Programa de Pós-Graduação em Educação e Formação Humana-PPGE, Linha 2 Trabalho, História da Educação e Políticas Educacionais. Também é Coordenadora Adjunta do Programa e Coordenadora do Núcleo de Estudos e Pesquisas em Educação, Comunicação e Tecnologia-NECT/FaE/UEMG.  

Downloads

Publicado

2021-12-16

Edição

Seção

Artigos