Forças de Caráter Pessoal dos Docentes de Ensino Superior no Brasil

Autores

  • Gabriele Domeneghini Mercali Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Programa de Pós-Graduação em Administração. RS, Brasil.
  • Silvia Generali da Costa Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Programa de Pós-Graduação em Administração. RS, Brasil.

DOI:

https://doi.org/10.17921/2447-8733.2021v22n5p745-756

Palavras-chave:

Forças de Caráter, Professores, Psicologia Positiva.

Resumo

Resumo
Esta pesquisa teve como objetivos identificar as principais forças de caráter pessoal, que caracterizam os docentes de Ensino Superior do Brasil, quais dessas eles mais utilizam na rotina laboral e se existem diferenças nas forças entre professores homens e mulheres. Realizou-se um estudo quantitativo, através de um questionário online, composto por questões de identificação e duas escalas. A amostra contou com 506 professores com representantes de todas as unidades federativas do país. Os dados coletados a partir do questionário foram analisados, por meio de estatística descritiva e teste t para amostras independentes. Os principais achados foram que as forças imparcialidade, amor ao aprendizado e apreciação do belo são as que mais caracterizam os professores. As três forças mais utilizadas são imparcialidade, autenticidade e cidadania. Perdão é a força menos expressiva nos docentes e, também, a menos utilizada por eles. As docentes mulheres apresentam médias mais altas para a maioria das forças, inclusive, no que se refere à utilização dessas. Contribui-se, dessa forma, para a geração de um perfil inicial dos docentes do Brasil, no que se refere às forças de caráter e para possíveis intervenções, que possam ajudar no desenvolvimento e melhoria de forças, que são importantes no processo de ensino.

Palavras-chave: Forças de Caráter. Professores. Psicologia Positiva.

Abstract
This research aimed to identify the main character strengths that characterize the higher education professors in Brazil, which ones they use most in the work routine and if there are differences between male and female professors. This study used a quantitative approach by means of applying an online questionnaire composed of identification questions and two scales. The sample comprised 506 professors belonging to all states of the country. Data collected from the questionnaire was analyzed through descriptive statistics and t-test for independent samples. The main findings show that the strengths of fairness, love of learning and beauty appreciation are what characterize professors the most. The three most commonly used strengths are fairness, authenticity and citizenship. Forgiveness is the least expressive strengths and also the least used by the professors. Female professors have higher averages for most character strengths, including for most commonly used ones. This research contributes to the generation of an initial Brazilian professor’s profile and also to possible interventions that can help in the development and improvement of strengths that are important in the teaching process.

Keywords: Character Strengths. Professors. Positive Psychology.

Biografia do Autor

Gabriele Domeneghini Mercali, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Programa de Pós-Graduação em Administração. RS, Brasil.

Doutoranda

Departamento de Administração

Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)

Silvia Generali da Costa, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Programa de Pós-Graduação em Administração. RS, Brasil.

Professora Doutora

Departamento de Administração

Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)

Referências

BRDAR, I.; ANIĆ, P.; RIJAVEC, M. Character strengths and well-being: are there gender differences? In: BRDAR, I. (Ed.). The human pursuit of well-being: a cultural approach. New York, NY: Springer, 2011. p. 145–156.

BUCKINGHAM, M.; CLIFTON, D. O. Descubra seus pontos fortes: um programa revolucionário que mostra como desenvolver seus talentos especiais e os das pessoas que você lidera. Rio de Janeiro: Sextante, 2008.

CLIFTON, D. O.; HARTER, J. K. Investing in strengths. In: CAMERON, K. S.; DUTTON, J. E.; QUINN, R. E. (Eds.). Positive organizational scholarship: foundations of a new discipline. San Francisco: Berrett Koehler, 2003. p. 111–121.

CSIKSZENTMIHALYI, M. Gestão qualificada: a conexão entre felicidade e negócio. Porto Alegre: Bookman, 2004.

DAHLSGAARD, K.; PETERSON, C.; SELIGMAN, M. E. P. Shared virtue: the convergence of valued human strengths across culture and history. Review of General Psychology, v. 9, n. 3, p. 203–213, 2005.

DAVOGLIO, T. R.; SPAGNOLO, C.; SANTOS, B. S. Motivação para a permanência na profissão: a percepção dos docentes universitários. Psicologia Escolar e Educacional, v. 21, n. 2, p. 175–182, 2017.

FUNDAÇÃO CAPES; MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Áreas de avaliação. Disponível em: <http://capes.gov.br/avaliacao/sobre-as-areas-de-avaliacao>. Acesso em: 3 jan. 2018.

Gallup Brasil | Gallup. Disponível em: <http://www.gallup.com/pt-br/175763/gallup-brasil.aspx>. Acesso em: 23 nov. 2016.

HAIR, J. F. J.; BABIN, B.; MONEY, A. H.; SAMOUEL, P. Fundamentos de métodos de pesquisa em Administração. Porto Alegre: Bookman, 2005.

HARTER, J. K.; SCHMIDT, F. L.; HAYES, T. L. Business-unit-level relationship between employee satisfaction, employee engagement, and business outcomes: a meta-analysis. Journal of Applied Psychology, v. 87, n. 2, p. 268–279, 2002.

HARZER, C.; RUCH, W. The application of signature character strengths and positive experiences at work. Journal of Happiness Studies, v. 14, n. 3, p. 965–983, 26 jun. 2013.

HENNE, D.; LOCKE, E. A. Job dissatisfaction: waht are the consequences? International Journal of Psychology, v. 20, p. 221–240, 1985.

HUTZ, C. S. (ORG.). Avaliação em psicologia positiva: técnicas e medidas. Porto Alegre: Artmed, 2016.

INEP (2016). Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira: Sinopse estatística da Educação Superior 2016. Disponível em: <http://portal.inep.gov.br/web/guest/sinopses-estatisticas-da-educacao-superior>. Acesso em: 8 ago. 2017.

LINLEY, P. A.; MALTBY, J.; WOOD, A. M.; JOSEPH, S.; HARRINGTON, S.; PETERSON, C.; PARK, N.; SELIGMAN, M. Character strengths in the United Kingdom: the VIA Inventory of Strengths. Personality and Individual Differences , v. 43, p. 341–351, 2007.

LINLEY, P. A.; NIELSEN, K. M.; GILLETT, R.; BISWAS-DIENER, R. Using signature strengths in pursuit of goals: effects on goal progress, need satisfaction, and well-being, and implications for coaching psychologists. International Coaching Psychology Review, v. 5, n. 1, p. 6–15, 2010.

LITTMAN-OVADIA, H.; LAVY, S. Character strengths in Israel: Hebrew adaptation of the VIA inventory of strengths. European Journal of Psychological Assessment, v. 28, n. 1, p. 41–50, 2012.

LOURO, G. L. Mulheres em sala de aula. In: DEL PRIORE, M. História das mulheres no Brasil. São Paulo: Contexto, 1997. p.443-481.

LOURO, G. L. O corpo educado: pedagogias da sexualidade. 2 ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2000.

MASLOW, A. H. Motivation and personality. New York: Harper, 1954.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO; SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR – SESU/MEC. Manual de verificação in loco das condições institucionais. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/sesu/arquivos/pdf/Manual1.pdf>. Acesso em: 3 jan. 2018.

NIEMIEC, R. M. VIA character strengths: research and practice (the first 10 years). In: KNOOP, H. H.; DELLE FAVE A. (Eds.). Well-being and cultures: perspectives on positive. New York: Springer, 2013. p. 11–29.

NORONHA, A. P. P.; BARBOSA, A. J. G. Forças e virtudes: escala de forças de caráter. In: HUTZ, C. S. (Org.). Avaliaçao em psicologia positiva: técnicas e medidas. Porto Alegre: Artmed, 2016.

NORONHA, A. P. P.; BATISTA, H. H. V. Escala de Forças de Caráter e estilos parentais: um estudo correlacional. In: Iniciação Científica – PIBIC, 2015, Itatiba, Universidade São Francisco.

NORONHA, A. P. P.; ZANON, L. L. D.; ZANON, C. Internal structure of the characters strengths scale in Brazil. Psico-USF, Bragança Paulista, v. 20, n. 2, p. 229–235, 2015.

OLIVEIRA, C.; NUNES, M. F. O.; LEGAL, E. J.; NORONHA, A. P. P. Bem-estar subjetivo: estudo de correlação com as forças de caráter. Avaliação Psicológica, v. 15, n. 2, p. 177–185, 2016.

OVEJERO, M.; CARDENAL, V. Character strengths with gender perspective. A study with a Spanish sample. In: Second World Congress on Positive Psychology, 2011, Philadelphia.

PAREEK, S.; RATHORE, N. S. Gender differences in character strengths and virtues of teachers in higher education. Indian Journal of Positive Psychology, v. 7, n. 3, p. 312–317, 2016.

PARK, N.; PETERSON, C. Character strengths and happiness among young children: content analysis of parental descriptions. Journal of Happiness Studies, v. 7, n. 3, p. 323–341, set. 2006a.

PARK, N.; PETERSON, C. Moral competence and character strengths among adolescents: the development and validation of the Values in Action Inventory of Strengths for Youth. Journal of Adolescence, v. 29, n. 6, p. 891–909, dez. 2006b.

PARK, N.; PETERSON, C. Character strengths: research and practice. Journal of College and Character, v. 10, n. 4, p. 1–10, 2009.

PARK, N.; PETERSON, C.; SELIGMAN, M. E. P. Strengths of character and well-being. Journal of Social & Clinical Psychology, v. 23, n. 5, p. 603–619, 2004.

PARK, N.; PETERSON, C.; SELIGMAN, M. E. P. Character strengths in fifty-four nations and the fifty US states. The Journal of Positive Psychology, v. 1, n. July, p. 118–129, 2006.

PETERSON, C. A primer in positive psychology. New York: Oxford University Press, 2006.

PETERSON, C.; PARK, N. Character strengths in organizations. Journal of Organizational Behavior, v. 27, n. September, p. 1149–1154, 2006.

PETERSON, C.; SELIGMAN, M. E. P. Character strengths and virtues: a handbook and classification. Washington, DC: American Psychological Association, 2004.

SALES, S. D. Motivação como ferramenta para a gestão das universidades federais brasileiras. Florianópolis: UFSC, 2005. Tese, Enganharia da Produção, Universidade Federal de Santa Catarina, 2005.

SEIBEL, B. L.; DESOUSA, D.; KOLLER, S. H. Adaptação Brasileira e estrutura fatorial da Escala 240-item VIA Inventory of Strengths. Psico-USF, Bragança Paulista, v. 20, n. 3, p. 371–383, 2015.

SELIGMAN, M. E. P. Felicidade autêntica: usando a psicologia positiva para a realização permanente. Rio de Janeiro: Objetiva, 2009.

SELIGMAN, M. E. P.; RASHID, T.; PARKS, A. C. Positive psychotherapy. American Psychologist, v. 61, n. 8, p. 774–788, nov. 2006.

SIEGEL, R. D.; ALLISON, S. M. Positive psychology: harnessing the power of hapiness, mindfulness and personal strength. Harvard Medical School Special Health Report, p. 1–41, 2009.

SIQUEIRA, M. M. M.; GOMIDE JR., S. Vínculos do indivíduo com o trabalho e com a organização. In: ZANELLI, J. C.; BORGES‐ANDRADE, J. E.; BASTOS, A. V. B. (Eds.). Psicologia, organização e trabalho no Brasil. Porto Alegre: Artmed, 2004. p. 300–328.

SMART, N. World philosophies. New York: Routledge, 1999.

SNYDER, C. R.; LOPEZ, S. J. Psicologia positiva: uma abordagem científica e prática das qualidades humanas. Porto Alegre: Artmed, 2009.

VIANNA, C. P. O sexo e o gênero da docência. Cadernos Pagu, n. 17-18, p. 81-103, 2002.

YEARLEY, L. H. Mencius and aquinas: theories of virtue and conceptions of courage. Albany, NY: State University of New York Press, 1990.

Downloads

Publicado

2021-12-16

Edição

Seção

Artigos