A (des)Construção da Concepção Hegemônica da Infância: um Estudo do Filme Alice no País das Maravilhas

Autores

  • Luana Santos Nogueira Garcia Universidade do Estado de Mato Grosso, Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Educação. MT, Brasil.
  • Maritza Maciel Castrillon Maldonado Universidade do Estado de Mato Grosso, Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Educação. MT. Brasil.

DOI:

https://doi.org/10.17921/2447-8733.2018v19n4p398-402

Palavras-chave:

Alice no País das Maravilhas, Infância, Paradoxos.

Resumo

Este trabalho se insere em um projeto de pesquisa da Universidade do Estado de Mato Grosso denominado: “Cinema, Infâncias e Diferença: problematizando a educação, o cotidiano da escola e o currículo”. Tendo como objetivo discutir a influência do filme: Alice no país das maravilhas (1951) para entender como esta obra cinematográfica esfacela, desmonta e descontrói a idealização de infância. Ainda, se apoia no pensamento de Deleuze (2007) para demonstrar que a vida real é cheia de paradoxos, que fogem da lógica, carregando antagonismos, produzindo múltiplos sentidos e desencadeando diferentes representações. O trabalho tem como proposta metodológica a pesquisa bibliográfica e o estudo reflexivo sobre o filme de Tim Burton. Os resultados deste estudo permitem problematizar e pensar diferentes “concepções” de infância já colocadas e instituídas, que (des)compõe o sentido real de ser criança.

 

Palavras-chave: Literatura Infantil. Infância. Paradoxos.

 

Abstract

This work is part of a research project of  Universidade do Estado de Mato Grosso denominated “Cinema, Childhood and Difference: questioning education, school everyday and the curriculum”. In order to discuss the influence of the film Alice in the Wonderland (1951) to understand how this film destroys , disassembles, deconstructs the idealization of childhood. Also, it corroborates the thought of Deleuze (2007) to demonstrate that real life is full of paradoxes that are out of logic, carrying antagonisms, producing multiple senses and triggering different representations. The work has as methodological approach the bibliographical research and the reflective study on the Tim Burton’s film. The results of this study allow to problematize and think about different “conceptions” of childhood already placed and imposed that (des) composes the real sense of being a child.

 

Keywords: Children's Literature. Childhood. Paradoxes.

Biografia do Autor

Luana Santos Nogueira Garcia, Universidade do Estado de Mato Grosso, Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Educação. MT, Brasil.

Licencianda em Pedagogia pela Universidade do Estado de Mato Grosso (UNEMAT); Bolsista de Iniciação Científica PIBIC/CNPq; Desenvolve pesquisa com base nos seguintes temas: educação do campo e educação infantil. Membro do Grupo de Estudos e Pesquisas em ensino, avaliação e formação de professores e também no Grupo de Estudos e Pesquisas em Escola, Currículo, Cultura e Sociedade contemporâneos, vinculado ao diretório de Grupos de Pesquisa do CNPq.  Lattes: http://lattes.cnpq.br/7582728302473060.

Maritza Maciel Castrillon Maldonado, Universidade do Estado de Mato Grosso, Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Educação. MT. Brasil.

Possui graduação em Pedagogia pela Universidade do Estado de Mato Grosso (1993), mestrado em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2001), tendo por orientador o Prof. Dr. Alfredo Veiga-Neto e doutorado em Educação pela Universidade Federal Fluminense (2009).  Concluiu em 2015 estágio de pós-doutorado no PROPEd/UERJ/CNPq, tendo como supervisora a Profª Drª Nilda Alves. É professora titular da Universidade do Estado de Mato Grosso, atuando no Programa de Pós-Graduação em Educação como professora e coordenadora e no curso de Pedagogia. É Líder do Grupo de Estudos e Pesquisas em Escola, Currículo, Cultura e Sociedade contemporâneos, vinculado ao diretório de Grupos de Pesquisa do CNPq, ao GT Currículo da ANPED e ao Laboratório Educação e Imagem da UERJ. Tem experiência na área de Educação, atuando principalmente nos seguintes temas: educação infantil, currículo, cotidiano, subjetivação, cinema, tempo

Referências

BENJAMIN, W. Passagens. Organização da edição brasileira de Willi Bolle. Belo Horizonte: UFMG, 2006.

BENVENISTE, E. Estrutura das relações de pessoa no verbo. In: Problemas de lingüística Geral I. 3 São Paulo: Pontes, 1991.

BURTON, T. Alice no País das Maravilhas. Produção: Tim Burton, Joe Roth, Jennifer Todd, Suzanne Todd e Richard D. Zanuck. Walt Disney Studios. 2010. 1 DVD (109 min). Estados Unidos da América.

COELHO, N.N. O Conto de fadas. São Paulo: Ática, 1987.

CHIZZOTTI, A. Pesquisa em ciências humanas e sociais. São Paulo: Cortez, 1998.

DELEUZE, G. A imagem-tempo. São Paulo: Brasiliense, 2005.

DELEUZE, G. Lógica do Sentido. Perspectiva, 2007.

DELEUZE, G. Conversações. Rio de Janeiro: Ed 34. 1992.

DELEUZE, G; GUATARRI, F. Mil Platôs. Capitalismo e esquizofrenia. São Paulo: 34, 1995.

DELEUZE, G. Mil platôs não formam uma montanha, eles abrem mil caminhos filosóficos. In: ESCOBAR, C.H. Dossie Deleuze. Rio de Janeiro: Hólon, 1991.

FABRÍCIO, D.C. Alice cresceu, diminuiu, cresceu... coube e descoube nas medições do mundo: Uma leitura de Alice no País das Maravilhas, de Lewis Carroll. Brasília: Universidade Católica de Brasília, 2012.

FOUCAULT, M. A Ordem do discurso. São Paulo: Loyola, 1996.

GONÇALVES, H.B. Entrando na toca do coelho: Alice, o País das Maravilhas e o mundo através do espelho na educação. São Paulo: Instituto Presbiteriano Mackenzie, 2012.

LARROSA, J. Pedagogia profana: danças, piruetas e mascaradas. São Paulo: Autêntica, 2004.

LÜDKE, M.; ANDRÉ, M.D. A. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo, EPU, 1986.

MALDONADO, M.M.C. Espaço pantaneiro: cenário de subjetivação da criança ribeirinha. Rio de Janeiro: Universidade Federal Fluminense, 2009.

OLIVEIRA, P.S.T. A contribuição dos Contos de Fadas no processo de aprendizagem das crianças. Salvador: Universidade do Estado da Bahia, 2010.

SKLIAR, C. Pedagogia (improvável) da diferença: e se o outro não estivesse aí. Rio de Janeiro, DP&A, 2003.

SILVA, L.F. Desconstruir para edificar: uma visão acerca da infância e uma proposta para sua compreensão através da chave da mudança. Literatura e Autoritarismo, n.15, 2015. Disponível em: http://w3.ufsm.br/literaturaeautoritarismo/images/8_Laryssa.pdf

SILVA, T.T. A arte do encontro e da composição: Spinoza + Currículo + Deleuze. Rev. Educ. Real., v.27, n.2, p.47-57, 2002.

TODOROV, T. Introdução à literatura fantástica. São Paulo: Perspectiva, 1975.

VYGOTSKY, L.S. A formação social da mente. Martins Fontes: São Paulo, 1984.

Downloads

Publicado

2018-12-30

Edição

Seção

Artigos